blank

Slow Content – Desaceleração da Produção de Conteúdo

Engajamento, visibilidade, publicidade, rentabilidade, enfim, todos esses termos estão no vocabulário dos usuários das redes sociais, principalmente nas agências de marketing. Engajamento nada mais é que a porcentagem de pessoas que interagem com seu perfil e suas postagens em relação ao total de seguidores que você ou sua empresa tem. Automaticamente, em um raciocínio lógico, pensamos o seguinte: para o engajamento ser bom e atrativo, devemos produzir o máximo de conteúdo, assim as chances de gerar uma interação com seu público é maior. Por mais que o mundo das tecnologias seja cada vez mais lógico e matemático, deve-se ter em mente o seguinte: os usuários de redes sociais são humanos. Então cabe um questionamento: Quantidade realmente importa?

Em 2022, uma das tendências do marketing digital foi o abrandamento na produção de conteúdos. A atenção do público centra-se gradualmente em conteúdos mais longos e mais detalhados. Uma pista é a mudança que ocorreu na plataforma Tik Tok, conhecida pelo grande número de conteúdos curtos e rápidos. Ela permite agora a circulação de vídeos de até 10 minutos de duração. Isto pode significar que o público pode estar à procura de conteúdo mais reflexivo e que geram mais conexão. Mas porque é que isto está a acontecer? Os conteúdos se tornaram muito repetitivos? Foi só um ciclo que terminou?

Um novo movimento de geração de conteúdo, que ganhou cada vez mais força em 2022, é conhecido como Slow Content. Inspirado por diversos movimentos slow, como Slow Fashion, Slow Food e Slow Moviment, onde todos procuraram diminuir o ritmo de produção em algum segmento, o Slow Content procura diminuir o ritmo da produção de conteúdo, aumentando sua profundidade e a qualidade. A estratégia gira em torno da produção de um excelente conteúdo e guardar energias, que antes era empregada na produção, para sua estratégia de distribuição.

blank

No site, que expõem as diretrizes seguidas pelo movimento, o movimento apresenta a proposta listada em 10 pilares, conhecida como estratégia de micro conteúdos. São eles:

Qualidade Acima de Quantidade: O grupo cunhou o termo “qualidade elegante e sustentável”. Trata-se da produção de conteúdo de boa qualidade, mas que atenda a demanda de seu público. Não importa ser bom se não é o que as pessoas querem.

Profundidade Sobre Largura: Apesar das frases de efeito serem muito utilizadas para vendas rápidas, conteúdos mais detalhados e profundos são mais persuasivos.

Criatividade Acima da Moda: Lembre-se de sua mãe quando dizia “você não é todo mundo.” Priorize a criação, deixe sua marca, pois mesmo que sigam sua tendência, ainda será a sua tendência, ou seja, será o primeiro a ser lembrado.

A Palavra Certa Sobre a Palavra Mais Simples: Seja preciso, direto e fale exatamente o que queira transmitir.

Enriquecimento Sobre Transações: Nem tudo que produzimos precisa ser comercial. Conteúdos institucionais ou promocionais são importantes, mas experimente o belo, a arte, a poesia, o inspirador.

Propósito Acima do Lucro: Dê mais valor a missão, visão e os valores de sua marca ou empresa. Faça juz ao motivo pelo qual seu empreendimento existe.

Conciso Sobre Curto: “Nada deve ser mais longo do que precisa ser.” Ao invés de conteúdos sempre curtos, utilize-os quando necessário.  

O Cidadão Sobre o Consumidor: Lembre-se que seus clientes são humanos. Trate-os como parceiros e não apenas como meros consumidores.

Contemplação Sobre Aceleração: Preencha lacunas, mesmo que demore. Mas lembre-se que a velocidade não deve ser descartada.

Tradição Sobre Convenção: Busque no passado métodos e conteúdos que deram certo, procure saber o porquê de dar certo e reaproveite esses conceitos.


Fonte: slowcontent.org

Share this article:

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.